gás natural veicular e o futuro do mercado de transportes

Gás Natural Veicular e o futuro do mercado de transportes

Combustível surge como alternativa capaz de tornar o setor mais sustentável em um futuro próximo.

O transporte rodoviário de cargas é um dos setores mais importantes e mais ativos do Brasil, tornando nosso País o número 1 em concentração de veículos dentre as principais economias mundiais. Logo, é natural que essa alta concentração de veículos gere uma grande preocupação por parte de motoristas, transportadoras e, claro, das montadoras.

Ao perceber a necessidade de se adequar aos novos padrões, as indústrias do setor voltam seu olhar à redução de emissão de poluentes e passam a contar com novas soluções e novos avanços tecnológicos. Mas como oferecer alternativas mais sustentáveis perante um combustível que já está extremamente consolidado como o diesel?

A Scania, uma das principais fabricantes de caminhões pesados, assumindo seu papel na transição rumo a um sistema de transporte sustentável, já conta com soluções que visam a trilhar um caminho em direção a esse futuro. Acompanhe os detalhes!

Os caminhões movidos a gás fazem parte da gama dessas soluções oferecidas e desempenham um papel fundamental nessa mudança do setor de transporte. Eles funcionam com o gás metano, aceitando tanto o gás natural quanto o biometano. Ambos nas formas de gás comprimido e gás liquefeito.

 

Faça a escolha certa!

Assim como acontece com as opções de motores a diesel, é possível encontrar a especificação perfeita para atender às necessidades de cada negócio. Desde caminhões coletores de lixo até as operações de longa distância, com motores que vão de 9 a 13 litros e potências de 280 cv a 410 cv.

 

Conheça o desempenho!

Com motores Ciclo Otto (o mesmo conceito dos automóveis) e 100% a gás, o desempenho do veículo é bastante semelhante aos movidos a diesel. Isso resulta em um equilíbrio perfeito de potência, força e baixas emissões. Além de ser 20% mais silenciosos, contribuindo para o conforto do motorista.

 

Entenda o impacto!

Não é segredo que o setor de transportes é uma das principais fontes de emissões de CO2 pelo uso de combustíveis fósseis e, ao utilizar o gás natural, a redução na emissão de CO2 é de até 15%, enquanto que, com a utilização do biometano, a redução vai para até 90%.

Como você viu, os combustíveis alternativos estão caminhando para ser a melhor opção para aqueles que atuam no setor de transporte e se preocupam com o impacto ambiental. Complementares a isso, as soluções oferecidas pela Scania visam a um transporte completamente sustentável, em termos de segurança, economia e meio ambiente.

saiba como controlar a ociosidade operacional de sua frota

Saiba como controlar a ociosidade operacional de sua frota

Quem trabalha com transporte, principalmente motoristas autônomos, proprietários de transportadoras e gestores de frota, sabe o quanto a ociosidade pode prejudicar a rentabilidade do negócio e a saúde financeira da empresa. Desde aqueles veículos que estão parados até aqueles rodando vazios, todos causam impacto negativo na operação.

Não é para menos que manter o controle dessas ociosidades em dia tem se mostrado fundamental para a tomada de decisões mais assertivas. O primeiro passo é entender os motivos que levam a essa situação. São eles:

  • Veículo aguardando manutenção: toda vez que um caminhão apresenta falha mecânica, ele precisa ser afastado da operação para passar por manutenção. Esse é um problema enfrentado frequentemente no transporte de cargas e, quando ele acontece, a capacidade de atendimento da empresa é reduzida ao longo do período que o veículo fica parado para manutenção.
  • Veículo aguardando liberação: alguns problemas internos, como atraso na emissão de documentação ou consolidação da carga, podem aumentar o tempo que um caminhão ficará parado aguardando liberação. Quando isso ocorre, o tempo total do ciclo do pedido aumenta, impactando na quantidade de viagens que o veículo poderia realizar.
  • Capacidade mal aproveitada: diz respeito aos espaços vazios deixados no caminhão após o carregamento da carga. Além de fazer com que um volume menor do que o realmente possível seja enviado por vez, esse entrave também aumenta o número de viagens realizadas. Resultado: custos elevados para sua empresa.
  • Veículo rodando vazio: muitas vezes acontece de, ao retornar de uma entrega, o motorista não consegue carregar o veículo. Esse trajeto, por sua vez, gera custos de combustível, horas de trabalho do motorista e não traz nenhum retorno lucrativo para a operação.

Agora, que você já sabe quais são as principais causas da ociosidade no transporte de carga, chegou a hora de falar sobre as formas de reduzir esses indicadores.

Faça manutenções preventivas

Manter uma rotina de manutenções preventivas, por exemplo, é uma ótima forma de priorizar o bom desempenho dos veículos. Esse tipo de manutenção permite um melhor planejamento de paradas e de custos, além de prevenir o veículo de possíveis defeitos futuros e, consequentemente, diminuir as chances de realizar uma parada inesperada.

Além disso, é possível contar com uma manutenção personalizada de acordo com a performance de cada veículo. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui e confira todos os tipos de manutenção existentes e como cada um deles pode impactar em seu negócio.

Defina rotas estratégicas

Como você já viu, um dos fatores que causam a ociosidade na frota é o veículo rodar vazio. Por isso, adotar uma estratégia na hora de definir as rotas pode contribuir para reduzir esse prejuízo.

Imagine, por exemplo, que uma entrega será feita do Rio de Janeiro para Santa Catarina, a fim de evitar períodos de viagens com o veículo vazio, programe outros serviços nos Estados e nas regiões adjacentes. Além disso, ainda é possível contar com aplicativos localizadores de carga para encontrar algum serviço próximo à região onde você está.

Treinamento de Motorista

Um motorista treinado e capacitado traz muitos resultados positivos para uma operação de transporte, até as pequenas mudanças fazem toda a diferença no fim do mês. Por isso o treinamento desse profissional também é uma forma eficaz de minimizar os prejuízos causados pela ociosidade.

Por exemplo: mudanças nos hábitos de condução refletem no cuidado com o veículo e seus componentes, aumentando a durabilidade das peças, a performance do veículo, minimizando o número de paradas para manutenção e, claro, as manutenções imprevistas. Você ainda pode treinar os motoristas para que eles adquiram e conheçam técnicas de armazenamento que resultarão num melhor proveito do implemento.

Use a tecnologia

Hoje em dia, a tecnologia está presente em todo canto, principalmente quando o assunto é melhoria de processos e resultados. Por trazer informações mais exatas, ela é uma excelente aliada para tomadas de decisões mais assertivas.

Exemplo disso é a conectividade presente nos caminhões, que permite não só o acompanhamento do veículo em tempo real, mas também contribui para a otimização na logística do transporte, aumentando a disponibilidade dos veículos.

Como você viu, existem diferentes fatores que podem causar a ociosidade no transporte de cargas, mas, por outro lado, também é possível contar com inúmeras estratégias para reverter a situação. Comece por descobrir a principal origem da ociosidade em sua empresa e, a partir disso, adote medidas que se adequem a sua realidade.

4 dicas para não errar na escolha do diesel

4 dicas para não errar na escolha do diesel

A escolha de um bom combustível está entre as principais preocupações dos caminhoneiros, afinal, ela impacta significativamente no rendimento do caminhão, bem como na lucratividade da operação. O grande ponto é que nem sempre essa é uma tarefa fácil: o Brasil é um dos países que mais sofrem com a adulteração e, como se não bastasse, nem sempre os caminhoneiros conseguem encontrar postos de qualidade ao longo de suas viagens.

Diante deste cenário, separamos algumas dicas valiosas para auxiliá-lo a escolher o combustível certo para o seu veículo e, assim, melhorar o rendimento do seu trabalho. Confira na sequência!

  1. Encontre postos de confiança

Abastecer sempre no mesmo estabelecimento seria o melhor dos mundos, mas sabemos que nem sempre a sua rotina permitirá isso. A dica, então, é observar bem o aspecto do posto antes de decidir abastecer. Confira, por exemplo, a organização, a limpeza e o uniforme dos frentistas, afinal, grandes refinarias se preocupam com a imagem de suas marcas e automaticamente com o aspecto de seus estabelecimentos. Portanto, um local mal cuidado e sujo é o primeiro sinal de alerta para que você fique esperto com relação à qualidade do combustível.

  1. Atente-se à origem do combustível

Você sabia que o posto precisa informar a origem do combustível que ele está vendendo? Então, além de conferir a bandeira da fachada, é importante ficar de olho nas bombas, pois a informação a respeito do fornecedor do produtor precisa estar descrita nelas.

Isso porque todos os combustíveis de um posto são originados da mesma refinaria, portanto, caso você note que a bandeira da fachada não é equivalente à da bomba de combustível, é recomendado que você não abasteça!

Além disso tudo, tem outro ponto que merece a sua atenção. Antes de ir para o mercado, o diesel passa por um controle de qualidade chamado “teste de proveta”, que verifica itens como a densidade do combustível, a quantidade de água usada na mistura, entre outros aspectos. Postos com bons resultados normalmente divulgam os números obtidos neste controle para comprovar a qualidade do seu combustível – ou seja, esse é mais um item que você pode checar na hora de abastecer.

Por fim, procure sempre verificar se os reservatórios de combustível possuem os devidos lacres eletrônicos.

  1. Quando o preço for muito baixo, desconfie

Sabemos que muitas vezes é difícil resistir a um combustível com o preço abaixo da média, porém, tenha em mente que preços excessivamente baixos também podem ser sinônimo de má qualidade.

Vale lembrar que os postos compram combustível direto das refinarias e que o valor que eles pagam pelo produto é tabelado. Portanto, o preço final para o caminhoneiro é estipulado a partir da definição da margem de lucro do empresário. Ou seja: quando o diesel é oferecido por um preço muito abaixo em comparação à concorrência, isso pode significar que você esteja investindo em um produto de qualidade inferior.

 

  1. Programe-se com antecedência e utilize a internet a seu favor

Como mencionamos anteriormente, sabemos que nem sempre o caminhoneiro consegue ir aos mesmos postos, já que seus trajetos são variados. Por isso, o planejamento é a melhor forma de lidar com longas viagens.

Com a ajuda da internet você consegue verificar os postos disponíveis em seu trajeto com antecedência, bem como pesquisar sobre a reputação de cada um deles. No aplicativo PostoFiel, por exemplo, é possível mapear quais os postos de confiança que fazem parte da sua rota. Ele funciona como um programa de monitoramento da qualidade de combustíveis, de caráter voluntário.

Além do aplicativo PostoFiel, outras opções como o Google Maps e o Waze podem te ajudar nessa missão.

Agora você já sabe que, quando o assunto é a escolha de um bom combustível para o seu veículo, é preciso estar atento a diferentes aspectos. Mais do que isso, é importante lembrar que não vale a pena colocar a segurança da sua viagem e o bom rendimento do caminhão em risco ao negligenciar essa etapa.

O consumo de combustível é um dos elementos mais importantes para o seu negócio e, também, um dos que proporcionam os maiores gastos. Por isso, além de saber como escolher a melhor opção, você também precisa estar por dentro de como economizar no consumo deste produto. Quer se aprofundar no assunto? Clique aqui e confira 5 dicas de economia que farão toda a diferença!

transporte de alimentos perecíveis: quais cuidados devem ser tomados?

Transporte de alimentos perecíveis: quais cuidados devem ser tomados?

Algumas precauções são fundamentais nesse tipo de operação.

Cada tipo de carga tem suas características e particularidades, e no transporte de alimentos esses cuidados são ainda mais necessários. E, se o assunto é alimentos perecíveis, as exigências são ainda maiores. Afinal, esse tipo de carga é conhecido por sua fragilidade e prazo restrito de validade.

Por isso, antes de começar a trabalhar com esse transporte, considere se aprofundar em temas como: escolha do caminhão e implemento, preservação da carga, treinamento e qualificação profissional, manuseio e prazo de entrega. Acompanhe esse artigo e saiba mais detalhes.

Conheça a carga
Antes de tudo, é importante conhecer a carga transportada. No caso de alimentos perecíveis, é comum haver grandes confusões e por isso é necessário deixar as informações bem claras.

De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), os alimentos perecíveis são: alimentos in natura, produtos semipreparados ou preparados e prontos para o consumo, como por exemplo vegetais, carne e derivados, leite e derivados, entre outros.

Escolha do caminhão e implemento
Levando em consideração as necessidades específicas dessas cargas e que sua qualidade, valor e validade estão sujeitos a prejuízos depois de um determinado tempo, entende-se a importância de prestar um serviço ainda mais ágil.

Para isso, contar com o caminhão correto é o primeiro passo para obter os resultados ideais. Considere os veículos que entregam melhor velocidade média, segurança, desempenho e disponibilidade.

Além disso, o implemento também influencia na escolha das configurações do caminhão. Analise qual a sua carga, que tipo de implemento é recomendado e qual o caminhão correto para realizar esse transporte.

Você ainda pode compartilhar cada detalhe da sua operação com a Concessionária de sua preferência, com certeza eles saberão indicar o modelo de caminhão mais adequado para você.

Preservação da carga
Entender as características do produto transportado também é importante para saber quais procedimentos devem ser tomados, a fim de contribuir com a qualidade do serviço realizado, o cuidado com a carga e, claro, a redução de perdas.

Nesse caso, atente-se que cada alimento exige um cuidado diferente. Por exemplo, algumas frutas são desfavorecidas em temperaturas muito baixas e devem ser transportadas em compartimentos resfriados e não congelados, com temperatura entre 0oC e 1oC, enquanto que com as carnes a situação é quase inversa: elas precisam ser transportadas sob temperaturas abaixo de 0oC, afinal, quanto mais quente, maior a chance de proliferação de microrganismos.

Higiene
Alimentos no geral exigem atenção e cuidado redobrados com higiene. Por isso, é essencial que os profissionais envolvidos na atividade estejam trajados com uniformes adequados, tais como touca, avental branco, sapatos de borracha e luvas. Lembre-se: sem os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e os uniformes, o funcionário não estará apto para executar o serviço.

Além disso, reforce a limpeza dos locais onde o serviço será realizado – desde o momento da carga até o da descarga. Estabeleça datas para realizar a limpeza de cada local para evitar prejuízos.

Qualificação profissional
Antes de mais nada, atente-se à necessidade de possuir o Certificado da Vistoria Sanitária para realizar esse tipo de operação. Cada documento deve estar de acordo com as normas e leis federais, estaduais e municipais.

Também invista na qualificação do motorista: além de contribuir para a qualidade do serviço prestado e o cuidado com a carga, um motorista qualificado também reduz o desgaste de peças, minimizando a necessidade de paradas para manutenção, principalmente aquelas emergenciais.

Conte com a tecnologia
As ferramentas tecnológicas se tornaram fundamentais para o transporte de alimentos sob temperatura controlada, afinal, elas permitem a verificação e o controle da temperatura e umidade do ar. Isso garante maior qualidade e eficiência no armazenamento e transporte das cargas.

Como você pôde observar, o transporte de alimentos perecíveis exige atenção, experiência e cuidado. Para garantir que ele seja realizado da melhor forma possível e a carga chegue nas condições ideias no seu destino final, alinhe cada detalhe e garanta que todas as etapas e cuidados sejam realizados da forma correta.

Gostou do conteúdo? Continue acompanhando o Portal Transporte Econômico e tenha acesso a muito mais!

Estabilidade e segurança nos caminhões

Estabilidade e segurança nos caminhões

Saiba como o design do seu caminhão e algumas tecnologias podem proporcionar maior segurança para suas viagens.

Um dos tipos mais comuns de acidente nas rodovias brasileiras ainda é o tombamento de caminhões, por isso dirigir com cuidado e atenção é essencial para quem passa a vida na estrada. Pensando nisso, as montadoras passaram a aprimorar seus veículos e tecnologias a fim de proporcionar viagens mais seguras aos motoristas.

As técnicas e os hábitos da direção defensiva são a principal chave para seguir uma viagem sem imprevistos ou acidentes, mas ainda assim é possível contar com alguns diferenciais do veículo que contribuem para uma maior segurança na estrada.

Aerodinâmica
Muitos pensam que o design do caminhão é uma questão estética, mas vai além disso: a aerodinâmica do veículo contribui não só para uma viagem mais econômica, como também mais segura. Isso porque todas as características da cabine influenciam na resistência do ar e na estabilidade do veículo.

Para isso cada detalhe conta, desde a aparência externa da cabine até o espaço interno e a posição dos eixos. Exemplo disso é a Nova Geração de Caminhões Scania: com o eixo dianteiro mais pra frente e o centro de gravidade mais baixo, é possível garantir mais segurança. Isso traz benefícios como maior estabilidade ao fazer curvas e sob forte frenagem, sem afetar o conforto do motorista.

Você pode entender mais sobre o conceito de aerodinâmica clicando aqui.

Suspensão
A suspensão é outro fator que está totalmente relacionado à estabilidade dos veículos, afinal sua função nada mais é que manter o pneu em contato com o solo de maneira estável e constante. Basicamente, seus componentes absorvem o impacto ao se passar por um obstáculo na pista, minimizando as vibrações e mantendo a estabilidade.

Com isso em mente, não deixe de manter as manutenções em dia e, sempre que necessário, cheque cada componente da suspensão, calibre os pneus e faça o alinhamento do caminhão. Também é importante respeitar o limite de peso do veículo e, claro, utilizar peças e serviços originais.

Pneus
Manter o cuidado com os pneus em dia também é essencial para garantir melhor estabilidade. Afinal, estando em contato direto com o solo e recebendo o impacto e o peso do caminhão, são eles que sofrem um dos maiores desgastes durante as viagens, ao mesmo tempo em que evitam maiores impactos ao veículo e ao motorista, aumentando a segurança.

Tecnologias de segurança
Você já sabe que a tecnologia está em todo lugar e, é claro, que ela também está presente no seu dia a dia, contribuindo para que você realize viagens mais tranquilas e seguras.

Grande parte dos caminhões já saem de fábrica com tecnologias essenciais para a qualidade das viagens que você realiza! Por exemplo, nos caminhões da Scania, o Programa de Estabilidade Eletrônico (ESP) é responsável por analisar a forma de condução do veículo e ativar os freios caso haja algum movimento inadequado, ajustando o comportamento e evitando tombamentos.

Eles também são equipados com o pacote ADAS, que é composto por três tecnologias de segurança: o Controle de Cruzeiro Adaptativo (ACC), que mantém uma distância segura do veículo da frente, o Aviso de Saída de Faixa (LDW), que avisa o motorista quando o veículo sai de forma involuntária das faixas de rolagem, e a Frenagem de Emergência Avançada (AEB), que utiliza os freios de serviços auxiliares e as trocas de marchas para diminuir o risco de colisões frontais.

A estabilidade do seu veículo está relacionada a diversos componentes e características dele e, ao entender cada detalhe dessa relação, fica mais fácil tomar atitudes e cuidados específicos e, assim, garantir mais segurança às viagens.

Por isso, os fabricantes de caminhões e ônibus estão cada dia mais atentos quanto à segurança na estrada, permitindo que os veículos já saiam de fábrica equipados com diversos sistemas autônomos que visam minimizar o número de acidentes.

Lembre-se: mesmo com tanta tecnologia, o motorista ainda tem um papel fundamental na segurança e na economia de combustível. Agora que você já sabe tudo sobre estabilidade e segurança, que tal conhecer 5 passos para uma direção defensiva?

combustíveis alternativos são o caminho para um futuro mais limpo

Combustíveis alternativos são o caminho para um futuro mais limpo

O setor de transportes é uma das principais fontes de emissões de CO2, o grande vilão do efeito estufa, e não é para menos: em maio de 2018, por exemplo, a crise dos caminhoneiros evidenciou o quanto o Brasil ainda depende do diesel, um combustível fóssil não renovável.

Pautada por este cenário, a demanda por sustentabilidade cresce e, entre diversas outras empresas e mercados, as montadoras de caminhões vêm trabalhando no desenvolvimento de soluções que impactam positivamente o mundo em que vivemos. Em outras palavras, investimentos contínuos em pesquisa têm ajudado a tornar mais próximo um dos grandes desafios do nosso país: o uso de combustíveis alternativos.

Em tempos em que as montadoras direcionam seus esforços para desenvolver veículos capazes de se mover com compostos menos poluentes, é preciso estar antenado sobre o que vem por aí. Por isso, nós preparamos uma lista com os principais combustíveis alternativos que apontam para um futuro mais limpo. Vamos lá?

Biogás / Biometano
O biogás é gerado a partir da fermentação e decomposição de matérias orgânicas, presentes em esgotos ou aterros sanitários. Ao obter pelo menos 96% de concentração de metano (CH4), é reconhecido como Biometano, gás oriundo do biogás.

Ambos são considerados fontes de energia renovável e têm se destacado cada vez mais entre as opções de combustível sustentável.

Atualmente, o biogás já é utilizado na geração de energia elétrica, como combustível para motores, enquanto o biometano se faz presente no setor de transporte, sendo utilizado em caminhões e ônibus dedicados ao combustível alternativo e reduzindo até 90% da emissão de CO2.

Gás natural
O gás natural é composto principalmente por metano (CH4) e, apesar de ser um combustível fóssil, emite uma quantidade menor de CO2 durante a combustão comparado ao diesel comum.

Considerado o biocombustível mais limpo, ele pode ser encontrado em sua forma natural gasosa (GNV) e líquida (GNL), e propõe uma redução de até 15% nas emissões quando comparado ao diesel.

 Bioetanol
Considerado o combustível com mais chances de suprir volumes grandes e sustentáveis no futuro, o Bioetanol é também o biocombustível mais usado em transporte atualmente.

No Brasil, especificamente, ele é fabricado por meio da cana, o que possibilita a produção em grande quantidade sem a necessidade de maiores áreas de desmatamento para fazer ampliação da plantação. Além disso, também contribui para a redução de até 90% nas emissões de CO2, comparado aos veículos movidos a diesel.

Conhecer as opções acima é o primeiro passo para fazer escolhas mais assertivas no futuro. Além de reduzir os impactos ambientais, os combustíveis alternativos também podem gerar grande economia em seu negócio e, por isso, merecem ser considerados. Na hora de renovar a sua frota, busque por soluções sustentáveis aliadas à segurança e economia.

Se você deseja encontrar mais informações sobre outros aspectos que devem ser considerados na escolha de um novo veículo, clique aqui e baixe o e-Book que produzimos sobre o assunto.

Biodiesel
O biodiesel é um biocombustível considerado uma fonte de energia renovável que substitui o uso de combustíveis fósseis. No Brasil, 80% de sua produção é feita a partir do óleo de soja e, para que possa ser comercializado, ele passa por processos de purificações, garantindo que esteja adequado às diversas especificações físico-químicas determinadas pela agência reguladora ANP (Agência Nacional de Petróleo).

Destinado principalmente à utilização em motores de ignição por compressão (ciclo Diesel), o biodiesel puro deve ser adicionado ao diesel de petróleo, sendo que, desde 01/09/2019, o percentual máximo de biodiesel a ser acrescido ao óleo diesel comercializado no Brasil passou para 11% (Resolução n°16/2018).

A especificação do biodiesel vem sido aprimorada ao longo dos anos, o que tem contribuído para a sua harmonização com as normas internacionais e para o alinhamento da sua qualidade às condições do mercado brasileiro. Seu uso é capaz de reduzir entre 65 e 70% as emissões de gases de efeito estufa.

Como você viu, os combustíveis alternativos vêm se destacando cada vez mais. No entanto, além de pensar nessa melhoria para o meio ambiente, também deve-se considerar a economia e a rentabilidade do seu negócio.

Nesse sentido, a Scania procura oferecer soluções completamente sustentáveis com as quais é possível tornar o custo total da operação bastante competitivo, garantindo retorno do investimento.

Se você se interessou pelo assunto, continue acompanhando o Transporte Econômico e tenha acesso a diversos materiais como este. Se preferir, você também pode solicitar o contato de um consultor de vendas.

4 dicas imperdíveis para quem quer começar a cozinhar na estrada

4 dicas imperdíveis para quem quer começar a cozinhar na estrada

Saiba que medidas devem ser tomadas antes de você botar a mão na massa

Quem trabalha na estrada sabe que às vezes não é possível encontrar um restaurante com bom custo-benefício, afinal esses estabelecimentos muitas vezes costumam cobrar valores muito elevados que, ao final do mês, geram um impacto representativo no bolso. Por esse motivo, é muito comum que os caminhoneiros optem por preparar suas próprias refeições.

Se você também quer entrar para o time dos “chefs da estrada” mas não sabe por onde começar, não pode deixar de ler este artigo até o final. Nas próximas linhas explicaremos o que é preciso para preparar uma boa alimentação nessas condições. Vamos lá?

1. Equipamentos
O primeiro passo é ir atrás dos equipamentos necessários para cozinhar na estrada. Priorize aqueles que te ajudarão a manter a segurança no transporte dos diversos itens e a qualidade no armazenamento dos alimentos, como por exemplo a caixa compacta de cozinha que, além de tudo isso, ainda contribui para a organização do espaço.

Além disso, pense nos equipamentos essenciais como o botijão de gás, o fogão (ou fogareiro) e a geladeira. Para os eletros, opte por modelos que combinem praticidade e resistência. Um bom exemplo é substituir um dos espaços de armazenamento interno da cabine por uma geladeira, algo que já é possível em alguns caminhões. Mas, se você precisar controlar os gastos, você também pode contar com uma caixa térmica.

Não se esqueça dos utensílios, como tábua de carne, talheres, panelas, pratos e copos. Você ainda pode incrementar com uma cafeteira, um multiprocessador e até um micro-ondas! Tudo vai depender do seu espaço e do quanto você quer investir.

2. Escolha e armazenagem dos alimentos
Depois de montar sua cozinha no caminhão será necessário pensar nos alimentos que levará para preparar as refeições. Nesse ponto, você precisará encontrar um espaço na sua rotina pré- viagem para realizar a compra dos itens – para isso, considere quantos dias você passará na estrada e opte por alimentos mais práticos de preparar e, claro, dentro do prazo de validade para que não haja desperdício.

Por fim, vale lembrar que o cuidado com a saúde não passa apenas pela escolha dos alimentos, como também pela armazenagem deles. Por isso, lembre-se sempre de guardar as comidas cozidas em lugar resfriado. Se você não possuir uma minigeladeira, o indicado é fazer porções diárias de comida que sejam o suficiente para uma refeição!

3. Transporte seguro
Apesar de trazer mais comodidade e economia para os caminhoneiros, ter uma cozinha adaptada no caminhão exige alguns cuidados, principalmente no que diz respeito ao transporte do botijão de gás. O uso e a armazenagem incorretos do equipamento podem causar acidentes tanto para o motorista como para outras pessoas que estejam ao seu redor, por isso existe até uma especificação prevista no Regulamento de Transporte de Produtos Perigosos neste sentido.

Segundo a regra, o botijão de gás transportado deve estar sempre do lado externo do compartimento da carga e longe de substâncias incompatíveis com o GLP, tais como níquel, carbonila e n-butano, a fim de evitar acidentes. Além disso, ele deve ter peso líquido máximo de 13 quilos. Atenção: a não adequação às normas pode resultar em aplicação de multa e apreensão do veículo.

4. Onde realizar
Por fim, mas não menos importante: escolha bem os locais em que você fará as paradas para o preparo da sua alimentação e a realização das refeições. Para isso, estude a sua rota com antecedência e procure por locais seguros e bem localizados. Assim você pode aproveitar o momento com mais segurança, calma e tranquilidade.

Como você pôde ver, cozinhar no próprio caminhão é uma escolha que vem acompanhada de inúmeras vantagens e responsabilidades. Mais econômica, essa prática também pode te ajudar a ter uma alimentação saudável e de qualidade, afinal, você saberá exatamente a procedência dos alimentos que serão consumidos. Além disso, é possível aproveitar esses momentos para conhecer outros motoristas e, quem sabe, até mesmo dividir a comida e as responsabilidades de prepará-la.

Quer aprender outras dicas sobre como economizar na estrada? Clique aqui e acesse nossos conteúdos exclusivos!

tudo o que você precisa saber sobre o transporte de cargas perigosas

Tudo o que você precisa saber sobre o transporte de cargas perigosas

Atuar no setor de transportes significa exercer atividades que requerem extrema atenção e segurança, independentemente do que se está transportando. No entanto, quando o assunto é o transporte de cargas perigosas, é essencial que todo esse cuidado seja redobrado, até porque não é à toa que esse tipo de atividade requer prevenções e o cumprimento de regulamentos específicos.

Ao realizá-la de forma coerente, respeitando as orientações e suas necessidades, ela pode acontecer sem que ofereça maiores riscos ao motorista, demais pessoas na estrada e, claro, ao meio ambiente. Para ficar por dentro desse assunto, acompanhe esse artigo!

Conheça a sua carga

Para começar, é necessário que você conheça o que está transportando e identifique os possíveis riscos que a carga pode ocasionar em caso de algum acidente. Tenha em mente que, se ela for capaz de causar qualquer dano ao meio ambiente, veículos ou à saúde das pessoas presentes, a sua carga já é considerada perigosa.

Líquidos ou sólidos inflamáveis, explosivos, gases, substâncias oxidantes e corrosivos são alguns exemplos dessa carga que necessita de atenção específica.

Esteja por dentro das necessidades específicas

Identificando a carga que você transporta como perigosa, é primordial estar por dentro das regulamentações e cuidados necessários.

O primeiro passo é procurar cursos específicos para a atuação nesse transporte. Ao participar das aulas teóricas e práticas você estará por dentro de tudo o que envolve essa atividade, conhecendo melhor as cargas, as leis e regulamentações. Além disso, também irá aprender técnicas de condução que conciliam melhor dirigibilidade com mais segurança. Atenção: esteja ciente de que transportar cargas perigosas sem essa capacitação constitui um crime ambiental.

Após estar devidamente capacitado, vá atrás do caminhão e implemento ideais para esse tipo de transporte. Nesse caso, procure por conjuntos que atendam exatamente a demanda da sua carga, sempre respeitando o volume máximo, peso e outras variáveis que afetam a condução do veículo.

Outro ponto importante a se analisar é a embalagem, que deve ser feita de materiais resistentes, ter volume e cor que a deixe facilmente visível e conter símbolos ou marcações que identifiquem suas características e riscos.

Por fim, esteja atento à documentação necessária, como a declaração de carga, certificado de capacitação dos veículos e equipamentos, licença de transporte, entre outros, e respeite sempre as leis de circulação que visam diminuir a exposição às cargas perigosas.

Entre outras limitações, que podem variar conforme o município ou estado, essa regulamentação estabelece que veículos transportando esse tipo de carga não podem rodar por regiões com alta concentração de população, com reservatórios de água na proximidade ou que sejam ambientalmente protegidas, como reservas florestais ou ecológicas.

Adote cuidados e técnicas na condução

Colocar a segurança em primeiro lugar é fundamental para o motorista que transporta cargas perigosas! Por isso, lembre-se de usar no seu dia a dia todas as técnicas de condução aprendidas no curso de especialização.

Além disso, as técnicas de direção defensiva devem ser aplicadas com ainda mais atenção e cautela. Por exemplo, jamais faça manobras arriscadas em situações de risco ou de baixa visibilidade, seja o primeiro a parar e aguardar a melhora do tempo e esteja sempre preparado para tornar previsível qualquer tipo de situação que possa vir a acontecer. Afinal, por menor que um imprevisto seja, nesses casos ele pode expor a sua vida e a vida de outras pessoas.

Por fim, cuide bem do seu caminhão, mantenha as manutenções e revisões em dia e não transporte outras cargas, como alimentos ou medicamentos, ou dois tipos de produtos perigosos diferentes.

Quando os cuidados listados acima são seguidos, o transporte de cargas perigosas acontece de forma mais segura, sem apresentar riscos ao motorista, ao meio ambiente e às demais pessoas que circulam pela estrada. Para saber mais sobre essa atividade, não deixe de clicar aqui e conferir o regulamento da ANTT na íntegra.

do câmbio manual ao automático: qual é a melhor opção para você?

Do câmbio manual ao automático: qual é a melhor opção para você?

A cada ano que passa, os caminhões ganham novas soluções tecnológicas que garantem mais conforto e segurança aos motoristas, bem como um melhor desempenho aos próprios veículos, além de economia e rentabilidade para o negócio de transporte. Mesmo algumas vezes sofrendo resistência inicial, existem inovações que, com o tempo, ganham adesão do mercado por se mostrar ótimos investimentos a longo prazo. Entre as tecnologias que se enquadram nesta categoria estão os câmbios automáticos e automatizados.

Hoje em dia, uma boa parte dos novos modelos de caminhões já saem da fábrica com alguma dessas opções de transmissão — mas, ainda assim, é comum que alguns motoristas tenham dúvidas quanto ao uso dessas tecnologias. Por isso, no artigo de hoje, explicaremos quais os tipos de câmbios disponíveis e no que eles se diferem uns dos outros.

Câmbio manual

Para começar, precisamos falar do câmbio manual, afinal, os veículos com esse sistema representam grande parte dos que estão em circulação no Brasil. Seu funcionamento se dá a partir de uma caixa de marchas que normalmente conta com, no mínimo, cinco velocidades. Como o nome pressupõe, a seleção de cada uma delas é feita manualmente, com o acionamento do pedal da embreagem.

Nesse caso, o ponto principal que se deve considerar é o tempo e o momento correto da troca da marcha. Eles são fatores muito importantes, tanto para o consumo de combustível quanto para a vida útil do caminhão e de seus componentes. Porém, nem sempre o ser humano consegue realizar as trocas da forma ideal, afinal, além de ser fisicamente cansativo trocar marchas o dia todo, a precisão é maior ao utilizar tecnologias.

Câmbio automatizado

Considerado um meio-termo entre as modalidades existentes, o câmbio automatizado possui componentes similares aos da caixa manual. A diferença é que, nesse caso, existem sensores que analisam o funcionamento do motor e enviam sinais para que a mudança de marchas seja feita no momento correto e de forma automatizada por meio de atuadores hidráulicos que acionam a embreagem.

O câmbio automatizado ganha destaque por ser mais econômico que o sistema automático (do qual falaremos na sequência), ao mesmo tempo em que proporciona conforto e praticidade similares a ele. Além de ter um custo de aquisição menor, a transmissão automatizada também possui uma manutenção mais simples e acessível.

Câmbio automático

Por fim, chegamos ao câmbio automático, modalidade que é conhecida por trazer mais conforto aos motoristas, afinal, o esforço necessário para a condução de veículos dessa categoria é bem menor se comparado ao das opções anteriores.

É que, nesse tipo de transmissão, a troca de marcha ocorre por meio de um conversor de torque que faz o papel da embreagem. Em outras palavras, esse dispositivo percebe a velocidade exata do veículo em tempo real e ajusta a rotação para a marcha necessária.

Quer conhecer mais algumas tecnologias que podem ajudar você a ter uma direção mais econômica e segura? Clique aqui e confira o post que escrevemos sobre o assunto!

caminhão perdendo a força? Saiba por que isso acontece e como evitar!

Caminhão perdendo a força? Saiba por que isso acontece e como evitar!

Veículos pesados, como os caminhões, são conhecidos por sua força e alta capacidade de tração de cargas, características essenciais para a realização de atividades às quais são destinados. Por isso, a perda dessa força pode prejudicar significativamente a operação do veículo.

Identificar sinas e conhecer a causa dos problemas é o primeiro passo para sanar qualquer tipo de imprevisto e continuar na estrada sem preocupações. Para saber o que pode causar a perda de potência e até mesmo como identificá-la e, assim, evitá-la, continue acompanhando!

IDENTIFICANDO O PROBLEMA

Perda de potência do motor

A perda de potência é um dos sinais mais comuns de que há algo de errado no motor. E vários podem ser os motivos para que ela aconteça – desde um problema simples com os filtros de ar ou de combustível, até mesmo um problema maior com o motor. Sendo assim, é muito importante manter a revisão e a manutenção do seu veículo em dia.

É preciso ficar atento quanto aos sintomas dessa perda de potência: no começo eles são bem sutis, como uma dificuldade para acelerar, mas, em casos mais crônicos, chegam ao ponto do motorista perceber o veículo como se estivesse se “arrastando”, ou até mesmo aparecerem avisos de alerta no painel do caminhão. Neste caso, é essencial contar com a ajuda de técnicos especializados para evitar esse tipo de situação.

Combustível

É natural que, em situações que exijam mais do veículo, haja um consumo maior de diesel. Isso vai variar conforme a condição da estrada, tipo de operação, carga, modo de condução e a qualidade do combustível.

Condições que afetam a média do consumo de combustível influenciam diretamente na vida útil dos filtros do veículo. Ao utilizar um diesel de má qualidade, provoca-se o excesso de impurezas e a redução no intervalo de troca do item. Além disso, o diesel de má qualidade afeta também o desempenho do veículo.

Componentes elétricos

Atualmente, os veículos pesados possuem tecnologias para garantir a disponibilidade, a performance e a qualidade do produto.

Assim, o caminhão monitora em tempo real a condição de diversos componentes e, por meio de vários sensores e de uma programação avançada de suas unidades eletrônicas, garante o funcionamento do motor em diferentes combinações no qual o motorista é alertado caso algo esteja fora do padrão.

Um exemplo é justamente a perda de potência proposital para que isso chame a atenção do condutor e evite danos aos demais componentes, preservando o veículo que, por sua vez, armazena essas eventuais falhas geradas em seu sistema eletrônico para que, na próxima visita à oficina da concessionária, técnicos especializados possam realizar o diagnóstico de forma mais ágil e assertiva.

Vale ressaltar a importância de estar sempre atento e, caso os sinais de perda de potência persistam por muito tempo, é essencial levar o caminhão para uma análise na concessionária.

COMO EVITAR?

O primeiro passo para evitar qualquer tipo de problema no seu veículo é manter as manutenções e revisões em dia. Assim, é possível analisar cada detalhe do caminhão e, caso haja algo fora do comum, corrigir antes que isso venha a causar prejuízos.

Para obter o melhor resultado, contar com técnicos especializados é essencial. Por isso, a recomendação é sempre realizar as manutenções na concessionária autorizada do fabricante.

Outra forma de evitar esse tipo de problema é optar por produtos de boa qualidade e adequados à sua operação: a escolha do veículo correto, optar por combustível de qualidade, utilizar somente peças originais e cuidar do caminhão são outras recomendações a seguir quando não se quer ter surpresas durante as viagens.